Não é novidade falar que o turismo é um setor complexo… Mas é a mais pura verdade!

O turismo se relaciona com uma cadeia produtiva ampla e interdependente. Diferentes áreas e setores (como transportes, hospedagem, alimentação, infraestrutura em geral, etc) influenciam seu desenvolvimento e impactam na experiência do turista.

É claro que a competitividade no turismo tem uma ligação direta com os recursos de uma determinado destino. Por exemplo, Fernando de Noronha é um destino de destaque apenas considerando seus recursos naturais que são únicos e especiais. Neste caso, os recursos naturais são um presente que por si só já tornam o destino competitivo. No entanto, trabalhar para a atração de turistas com mínimo impacto possível, maximizar a distribuição mais justa dos benefícios do turismo, posicionar o local como um destino sustentável são fatores gerenciáveis que podem contribuir com o aumento da competitividade deste destino.

A verdade é que todos os destinos podem incrementar sua competitividade a partir de uma gestão turística adequada, tanto aqueles que possuem atrativos extremamente singulares quanto outros que não possuem uma oferta tão única.

Mas como é possível melhorar a competitividade de um destino turístico?

Diversos estudos nacionais e internacionais que pesquisam a competitividade turística de destinos apontam fatores como governança, política pública e planejamento,  oferta e demanda, estratégias de marketing, monitoramento e avaliação como influenciadores dessa competitividade.

Política Pública e Planejamento  – planejar o destino, nada mais é do que escolher de maneira conjunta com os atores do turismo local caminhos e estratégias para o desenvolvimento da atividade. A política pública balizará o planejamento do destino e estabelecerá ordenamento e regulação para operacionalização do turismo.

Governança – ter uma rede de atores que dialoga em busca de soluções e oportunidades coletivas, que reconhece suas interdependências e se propõe a trabalhar conjuntamente, compartilhando responsabilidades.

Oferta e demanda  – entender a demanda atual, fazer uma escolha conjunta da demanda potencial, investir e ajustar a oferta para atender a expectativa dessa demanda.

Estratégias de Marketing – posicionar o destino de acordo com o planejamento, conhecimento e escolha da demanda. É fundamental ainda comunicar o conteúdo certo, para o público certo, usando as ferramentas adequadas.

Monitoramento e avaliação – transformar os dados do turismo em informação útil para o destino e atores locais. Além disso, avaliar a evolução do destino segundo planejamento.

Acompanhem as matérias relacionadas a cada um esses temas no Turismo Spot!

 

COMPARTILHE:
Isabela Sette

Isabela Sette

Também da terra do pão de queijo, mora em São Paulo e acredita que o turismo pode ser uma ferramenta importante de desenvolvimento local, com respeito e sustentabilidade. É estudiosa da área e adora escrever sobre o tema! Também é sócia da Turismo 360 e se sente privilegiada por trabalhar com amigos que tanto admira. Acredita que o Turismo Spot tem a missão de levar um conteúdo técnico relevante porém acessível, que pode ser aplicado no dia-a-dia da gestão do turismo. E de quebra ainda possibilita escrever e refletir com uma amiga e profissional das mais completas e visionárias que conhece, Marcela Pimenta!